COVID-19

Polícia Civil muda rotina de atendimento e proíbe tereré nas delegacias

Apesar das medidas, os policiais não poderão negar orientação para quem procurar qualquer órgão policial

Fachada do Cepol ( Centro de Policiamento Especializado), que abriga a Depac, delegacia de plantão (Foto: Henrique Kawaminami) Fachada do Cepol ( Centro de Policiamento Especializado), que abriga a Depac, delegacia de plantão (Foto: Henrique Kawaminami)

Em tempos de pandemia, a Polícia Civil mudou a rotina de atendimento nas delegacias para evitar a propagação do coronavírus (COVID-19) e proibiu o consumo de tereré e chimarrão nas dependências das unidades policiais. Em Campo Grande, já são sete casos confirmados.

Segundo a portaria desta quarta-feira (18), assinada pelo delegado-geral em exercício, Adriano Garcia Geral, o atendimento presencial em todas as unidades administrativas e operacionais fica condicionado ao critério da autoridade policial responsável.

Apesar da medida, casos de emergência como homicídios, latrocínios, remoção de cadáver, violência doméstica contra crianças e adolescentes e idosos, estupro, sequestro, cárcere privado, roubos de veículos e cagas e autos de prisão em flagrante serão atendidos normalmente.

Ainda de acordo com a portaria, os policiais não poderão negar orientação para quem procurar qualquer órgão policial. As chefias das unidades que permanecerem com atendimento ao público deverão restringir a entrada simultânea ou aglomeração de pessoas nas unidades, principalmente nas áreas de plantão.

Foram suspensas as visitas de familiares e advogados nas delegacias que têm presos. Haverá a permissão de visitas somente em casos de extrema e justificada necessidade. Os servidores que apresentarem sintomas da doença deverão ser afastados do trabalho, pelo período mínimo de 14 dias.

 Os policiais civis que tenham mais de 60 anos e sejam portadores de doenças crônicas que compõem grupo de risco, deverão executar as atividades à distância, de acordo com as orientações do chefe imediato. Veja aqui à integra da portaria da Polícia Civil.

Comentários