MATO GROSSO DO SUL

Parada devido a pandemia, CPI da Energisa também aguarda decisão judicial para periciar relógios

Relator da CPI, Capitão Contar diz ser necessário concluir as investigações - Crédito: Divulgação Relator da CPI, Capitão Contar diz ser necessário concluir as investigações - Crédito: Divulgação

A CPI da Energisa (Comissão Parlamentar de Inquérito), está suspensa desde o ano passado devido a pandemia de Covid-19 e também aguarda decisão judicial para periciar os relógios de luz, escolhidos através de reclamações registradas pelo Procon/MS.

A suspensão das coletas de relógios da CPI da Energisa segue a decisão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, para evitar aglomerações neste momento de pandemia, impedindo contato entre as pessoas. A medida continua se renovando por conta da proliferação dos casos de Covid-19 no estado.   

Já, a ação da empresa que alegava que a Universidade de São Paulo não tinha competência de testar os relógios de luz, foi totalmente rebatida pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), com parecer favorável a continuidade dos trabalhos pelo Ministério Público Estadual e aguarda decisão final do Tribunal de Justiça de MS.

“A CPI Energisa é dos sul-mato-grossenses e precisamos concluir esta missão. O laboratório da USP São-Carlos cumpre e supera todos os requisitos indispensáveis para a perícia dos relógios. Apesar das tentativas da Energisa em obstruir o trabalho investigativo desta CPI, apresentamos todas as fundamentações necessárias, inclusive o Ministério Público Estadual emitiu parecer favorável à realização da perícia na USP, confirmando sua capacidade técnica para a execução”, diz o relator, deputado estadual Capitão Contar (PSL). 

Os 200 medidores a serem periciados foram sorteados, com acompanhamento de todos os envolvidos.  São inúmeras queixas registradas no Procon, desde aumentos injustificáveis  até má prestação de serviço.

Comentários