Policial

Carga de pasta base apreendida vale R$ 600 mil e estava presa em painel de carro

No vídeo, chefe da Delegacia da PRF mostra onde a droga foi escondida com ajuda de corda e graxa

Droga seria distruíba nos estados de São Paulo, Goiás e Minas Gerais. (Foto: Henrique Kawaminami) Droga seria distruíba nos estados de São Paulo, Goiás e Minas Gerais. (Foto: Henrique Kawaminami)

Os 32 quilos de pasta base apreendidos ontem com um casal preso durante abordagem da PRF (Polícia Rodoviária Federal) está avaliado em R$ 600 mil reais. Dividido em 46 tabletes, em coletiva na manhã de hoje na Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), as polícias esclareceram passo a passo de como chegaram à droga e também onde estava a droga no veículo.

O homem de 37 anos conduzia o Peugeot 3008 junto da esposa, de 31 anos, acadêmica do 5º ano de Medicina no Paraguai. O casal também estava com o filho no carro, uma criança de 6 anos.

A droga vinha de Ponta Porã e seria levada para Três Lagoas, São Paulo, Goiás e Minas Gerais. "A Denar iniciou essa investigação um tempo atrás, através de denúncia anônima que um casal estaria transportando pasta base de cocaína para outros estados", contou o delegado Hoffman D'Ávila Cândido e Sousa. Segundo o delegado, a apreensão da carga e a prisão do casal foi resultado de um trabalho em conjunto com a inteligência da PRF.

O casal já era monitorado pelas polícias que queriam entender a dinâmica da empreitada. Como já havia um alerta quanto à identificação do veículo e do casal, quando a PRF avistou o Peugeot durante fiscalização ontem, já acionaram uma outra equipe para uma revista minuciosa.

"A partir disso foi encontrado um compartimento específico para transporte de droga oculta no painel", mostra o o chefe da delegacia geral da PRF em Campo Grande, Maurício Pepino.

À polícia, a mulher se mostrou nervosa, chorou e negou saber que o marido transportava a droga. O esposo, por sua vez, disse que estava apenas transportando para Campo Grande e que não era o dono da mercadoria. Pelo transporte, ele receberia R$ 10 mil. O casal ainda disse que não vive do tráfico e sim de um mercadinho que possuem na fronteira para custear a faculdade da esposa. "Mas já temos informações robustas que serão juntadas nos autos de que ele estava levando essa substância para São Paulo, Minas Gerais e Goiás".

Sobre o filho, o delegado ressalta que infelizmente é comum o uso de crianças na tentativa de passar a impressão de "família" durante a fiscalização da polícia. "Nós já sabemos deste artefato, a criança foi entregue ao avô paterno. Caso o motorista desse fuga e pudesse haver um confronto, essa criança estaria em situação de risco", frisa Hoffman.

Na apreensão feita ontem, na BR-060, saída para Sidrolândia, a droga estava envolvida em plásticos e por cima havia uma corda para que o motorista pudesse puxar os tabletes, que foram envoltos em graxa para que caíssem mais fácil do compartimento.

O casal foi preso em flagrante por tráfico de drogas e associação ao tráfico.

Comentários